SONAE
SONAE
Springfield
Springfield
Sheraton
Sheraton
Pandora
Pandora
Mercadona
Mercadona
MSC
MSC
Leroy Merlin
Leroy Merlin
FNAC
FNAC
Fast Shop
Fast Shop
Dia
Dia
Cortefiel
Cortefiel
Rede Ímpar
Rede Ímpar
Hospital de Santa Maria
Hospital de Santa Maria
AC Camargo
AC Camargo
Sabará Hospital Infantil
Sabará Hospital Infantil

Porque é que a cultura da empresa interessa?

Company Culture

Porque é que a cultura da empresa interessa?

Falar em cultura da empresa nunca teve tanta importância como nos dias de hoje. Com a pandemia, o mercado de trabalho mudou e a forma de se trabalhar também. Por conseguinte, as empresas tiveram de se adaptar a novas realidades laborais, modernizar-se e criar condições para que os seus colaboradores se sintam parte da identidade corporativa, num mercado cada vez mais competitivo. Uma das estratégias mais adotadas pelos empregadores no pós-pandemia é a aposta na construção de uma cultura interna, ajustando os seus recursos às necessidades dos seus colaboradores. É por isso importante perceber como a existência da cultura pode, ou não, influenciar a performance de uma empresa no mercado, mas sobretudo, de quem trabalha nela.

Afinal, o que é a Cultura interna?

A cultura de uma empresa refere-se à forma de atuação de uma organização e dos seus trabalhadores. Este comportamento reflete-se, posteriormente, na forma como os colaboradores interagem e nas decisões que tomam em prol dos objetivos da empresa. Estes comportamentos dependem obviamente de fatores internos como a missão e valores internos, tipos de liderança, e do próprio ambiente de trabalho.

Como funciona?

A cultura interna de uma empresa não é algo imediato, mas sim um processo que se vai construindo ao longo do tempo. Para o efeito, existem várias formas de potenciar um bom envolvimento interno, seja da empresa diretamente com os seus funcionários, ou entre estes. Contudo, é importante ressalvar que qualquer tipo de resultado dependerá sempre, em primeiro lugar, da forma como a empresa se direciona aos seus colaboradores. Existem assim, diferentes tipos de cultura interna: as empresas que apostam na cultura de equipa e no envolvimento em tarefas que promovem o desempenho conjunto, através de uma vertente de Endomarketing e outras, mais tradicionais, onde a hierarquia define o tipo de gestão. Em qualquer um dos casos, numa organização com uma forte cultura interna, os colaboradores já sabem com o que podem contar, agindo desta forma em conformidade e identificando-se com a forma de atuação utilizada.

Mais do que “free cookies”

Atualmente, é comum as empresas quererem diferenciar-se no mercado de trabalho adotando, para isso, uma identidade corporativa mais “apelativa” e “up-to-date”, que vá ao encontro das necessidades dos trabalhadores, também estes cada vez mais diferenciados e exigentes. Se antes, a importância do cargo ou a notoriedade da empresa eram determinantes para os candidatos, hoje, a “oferta” de benefícios, como a flexibilidade e a progressão na carreira são cada vez mais importantes. As necessidades mudaram e a importância do equilíbrio entre trabalho e vida pessoal tornou-se requisito obrigatório. É importante que as empresas tenham estas questões bem definidas, seja através da metolodogia de trabalho utilizada (com recurso a trabalho remoto ou híbrido) mas também de incentivos pessoais (através de apoio à formação, por exemplo). Outra forma de contribuir para fomentar a cultura da empresa passa pela participação ativa dos colaboradores nas tomadas de decisão internas, como por exemplo, na definição dos próprios horários, folgas e férias. O SISQUAL WFM, através do módulo Quality of Life, possibilita não só aos chefes de equipa como também aos colaboradores, a autonomia e flexibilidade necessárias para efetuar esta gestão.

A forma como uma empresa avalia todas estas questões tem, assim, um papel fulcral na construção da cultura interna.

Uma forte cultura interna possibilita:

  • Aumento da produtividade
  • Maior “engajamento” entre colaboradores
  • Maior criatividade e inovação
  • Mais lucros
  • Menor risco de “turnover”

 

Em suma, podemos assumir que a cultura de uma empresa dependerá sempre de uma boa gestão interna. E se, os valores e necessidades dos colaboradores estão, desde logo, assegurados pela empresa, então é porque esta está no bom caminho.