SONAE
SONAE
Springfield
Springfield
Sheraton
Sheraton
Pandora
Pandora
Mercadona
Mercadona
MSC
MSC
Leroy Merlin
Leroy Merlin
FNAC
FNAC
Fast Shop
Fast Shop
Dia
Dia
Cortefiel
Cortefiel
Rede Ímpar
Rede Ímpar
Pulido Valente
Pulido Valente
Centro Hospitalar de São João
Centro Hospitalar de São João
Pró-Saúde
Pró-Saúde

Liderança vs Dashboards

Liderança vs Dashboards

Finalmente, o mundo está a distanciar-se da pandemia e a deixar para trás um ano de desafios económicos. Orçamentos, pedidos, apresentações e centenas de reuniões podem agora ser realizados. O mundo empresarial sobrevive redefinindo-se todos os dias e tentando gerar resultados; se ao menos as administrações públicas fizessem o mesmo e, finalmente, se modernizassem, era o ideal.
Já vivemos imersos na chamada transformação digital que absorve tudo à nossa volta. Processos, metodologias, protocolos e um longo etc. de procedimentos estão a ser revistos para ser mais eficazes e eficientes dentro do serviço e da cadeia de produtividade. Todos os recursos disponíveis para as empresas estão a ser readaptados, sabendo que provavelmente terão de ser modificados ou revistos novamente num curto espaço de tempo.
Entre estes novos recursos que estão a ser actualizados, ou até mesmo reinventados, um deles parece ser fundamental: painéis de controlo e a utilização que deles fazemos. Os gestores precisam apenas de uma simples observação para conseguir avaliar o ritmo da sua organização e do próprio mercado, de forma a poderem tomar qualquer tipo de decisão. A partir destes painéis, também conhecidos como “scorecards”, são geradas estratégias que podem salvar resultados e, sobretudo, empregos em algum momento.

A gestão de dados não só nos fornece informações sobre o grau de satisfação ou absentismo dos empregados, mas através de aplicações de Inteligência Artificial (IA), podemos também aprender mais sobre as emoções que impulsionam os hábitos de compra ou as melhorias necessárias em certos desenvolvimentos tecnológicos. Todas estas variáveis combinadas significam que a correcta leitura e tratamento de dados é agora a principal questão para as empresas. Antecipar e prever o futuro são, hoje, requisitos indispensáveis para a tomada de decisões e investimento empresarial.
OK, até agora só foi feita alusão ao campo técnico que a manipulação de dados oferece, mas será que podemos considerar-nos bons gestores ou líderes nas nossas organizações apenas com este recurso? A resposta é não. Podem os dados, por outro lado, ajudar-nos a ser melhores líderes ou gestores, mesmo que não tenhamos competências claras ou inatas como líderes? A resposta é sim.

Reconheço que por muito que tenhamos ou possamos trabalhar com uma base de dados, existe uma parte subjectiva da liderança que é inerente e complicada de estudar e definir, ou seja, uma parte inata, pessoal e intrínseca que apenas certos líderes possuem. As competências pessoais, por muito elusivas que sejam, são um exemplo disso. Segundo o autor Daniel Goleman[1], o que distingue um líder não é tanto a sua capacidade técnica, mas a sua capacidade de gerir o que é conhecido como Inteligência Emocional, e ele descreve-a usando 5 capacidades:

  • Motivação
  • Empatia
  • Aptidões sociais
  • Auto-regulação
  • Auto-consciencialização

Não estou a tentar corrigir Goleman, mas provavelmente actualizaria mais alguns pontos. Os tempos mudaram e penso que quando o autor os escreveu, as redes sociais não faziam sequer parte das nossas vidas. Acrescentaria, por exemplo, o hábito de ter a capacidade correcta de ler a realidade, algo como “mergulhar no caos e sair inócuo”. Uma realidade como a de hoje, que destila milhões de peças de informação por segundo, é impossível de dominar.

Portanto, será que os painéis de controlo nos podem ajudar a sermos melhores líderes? É óbvio que nem todos os gestores ou líderes estão aptos a ser um só, pois é uma competência rara ou uma capacidade inata adequada apenas para alguns, mas é verdade que a leitura correcta dos inputs que a realidade produz, bem digerida, pode transformar-nos num bom líder.

Assim, se combinarmos uma boa gestão de dados, exposição e módulo de tradução, podemos obter um líder que, embora não tenha competências inatas como tal, pode ter-lhe atribuídas competências como liderança, empowerment e gestão, bem-sucedidas.
O objectivo de uma boa ferramenta de gestão da força de trabalho é, acima de tudo, demonstrar eficácia e eficiência em processos críticos nas nossas organizações. Por conseguinte, as soluções oferecidas em todas as áreas, incluindo a liderança, são o complemento necessário para a eficiência.

1] What makes a leader? (Harvard Business Review Classics)