Staples
Vodafone
LVMH
FNAC
Womens secret
Mercadona
Fleury
Fast Shop
Leroy Merlin
Cortefiel
SONAE
Hospital Pequeno Príncipe
Pandora
MSC
Dia
Springfield
Sheraton
Unilabs
Unidade Local de Saúde de Matosinhos
Notredame Intermédica
Pró-Saúde
Hospital de Santa Maria
Rede Ímpar
Unimed Fortaleza
Luz Saúde
Pulido Valente
Centro Hospitalar de São João
Hospital LeForte
Hospital Platô
AC Camargo
Garcia da Orta
Hospital 9 de Julho
A.R.S. Lisboa e Vale do Tejo
Sabará Hospital Infantil
Santa Casa de Misericórdia da Bahia
Hospital IGESP
Staples
Staples
Vodafone
Vodafone
Estapar
Estapar
LVMH
LVMH
Womens secret
Womens secret
Pandora
Pandora
Springfield
Springfield
Fast Shop
Fast Shop
Worten
Worten
WestSea
WestSea
Wells
Wells
Vitaminas
Vitaminas
Villa Termal das Caldas de Monchique
Villa Termal das Caldas de Monchique
Via Porto
Via Porto
Veolia
Veolia

Ética de descanso: o que é, e por que precisamos de a começar a cultivar?

Ética de descanso: o que é, e por que precisamos de a começar a cultivar?

Vivemos numa sociedade que valoriza os trabalhadores bons e dedicados, e em que trabalhar mais horas é muitas vezes visto como algo do qual nos devemos orgulhar. Desde muito novos que somos ensinados a manter-nos sempre ocupados e, muitas vezes, preenchemos os nossos horários de trabalho com reuniões e atividades que vão além da nossa real capacidade, porque acreditamos que isso é um sinal de produtividade para os outros. Em muitas situações laborais, os trabalhadores preferem trabalhar para compensar (isto é, trabalhar mais) do que dar prioridade ao seu bem-estar. Esta forte ética de trabalho, só por si, pode conduzir a um esgotamento mental, tornando-se crucial olhar para um outro conceito: a ética de descanso.

Com a pandemia de COVID-19 muitos trabalhadores dos mais variados setores permanecem ainda em regime de teletrabalho. A pressão para sermos produtivos nunca foi tão grande, sendo que a linha entre a esfera do trabalho e a esfera pessoal nunca esteve tão esbatida. Quando foi a última vez que planeou e tirou uma folga do trabalho? Tirar um tempo livre (sem nos sentirmos culpados) de forma a refrescarmos ideias, estimularmos a criatividade, relaxarmos e recuperarmos forças é uma das ferramentas mais negligenciadas no mundo do trabalho. As pessoas sentem-se cada vez mais assoberbadas de tarefas, e com o acesso fácil a e-mails e aplicações nos nossos smartphones, a pressão para provar que nos encontramos a trabalhar arduamente tem contribuído para um aumento do stress, da depressão e do esgotamento físico e mental (Burnout).  

No entanto, cabe-nos salientar que esta temática não se deve apenas à pandemia. Certo é que esta veio acelerar a potencial falta de equilíbrio entre a vida pessoal e a vida profissional devido à mudança repentina para home-office. Contudo, trata-se de uma questão cultural: muitas sociedades falham em saber separar a esfera pessoal e profissional, com vista a alcançar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (work-life balance).  

Trabalho árduo não significa produtividade 

Ao contrário do que nos vão ensinando, trabalhar apenas arduamente não nos leva na realidade a alcançar muito em termos de produtividade. O necessário é saber trabalhar bem, ou trabalhar de forma inteligente. Devemos saber reconhecer o nosso limite e aprender a melhor forma de concentrar o nosso tempo e esforço. Um trabalhador que saiba descansar bem recupera, inspira-se e regressa com novas ideias, que acabará por influenciar a sua ética de trabalho, a sua motivação e entusiasmo. Um trabalhador cansado e próximo de um Burnout vê estas últimas a desaparecer num ápice. 

O que é, afinal, rest ethic? 

John Fitch e Max Frenzel, autores do novo livro Time Off: A Practical Guide to Building Your Rest Ethic and Finding Success Without the Stress, definem rest ethic de uma forma bem simples e eficaz:  

“Respire fundo e sustenha a respiração. Continue a sustê-la. Quanto tempo se pode suster a respiração até ficar desconfortável? Trinta segundos? Uns minutos? Não demora muito até que todos nós, eventualmente, precisemos de expirar. Pense na sua ética de trabalho como a inalação (é, de certa forma, tão essencial para a sua carreira como o ar é para o seu corpo). Com uma boa ética de trabalho, fazemos, executamos, coordenamos, gerimos, cumprimos e fazemos as coisas… Mas não podemos continuar a inalar para sempre. Eventualmente, temos de exalar. Esta exalação é a vossa ética de descanso, e é igualmente essencial. Uma sólida ética de repouso dá-nos inspiração, ideias e recuperação. Permite-nos aumentar o nosso entusiasmo e sustentar a nossa paixão…. E tal como uma expiração profunda o prepara para uma melhor inalação, a sua ética de descanso permite-lhe ter uma melhor ética de trabalho”. 

No livro, os autores questionam a suposição comum de que “ocupado” = “produtivo” e oferecem soluções práticas para nos ajudar a todos a dar prioridade à nossa “ética do descanso”.  

Como desenvolvê-la? 

O maior obstáculo à criação de uma forte ética de repouso é a culpa. Tal como falamos anteriormente, a sociedade faz-nos acreditar que só temos valor desde que estejamos a criar algo, o que demonstra a nossa “suposta” produtividade. Muitos problemas de saúde mental são consequência deste pressuposto e uma das principais questões que os team leaders e diretores em todo o mundo precisam de reestruturar. Portanto, é importante que enquanto trabalhador seja capaz de largar qualquer sentimento de culpa, fazendo pausas e passando tempo a fazer o que gosta.  

Cultivar uma ética de descanso é crucial para nos ajudar a ser mais eficazes e a encontrar alegria no nosso dia-a-dia, o que naturalmente tem impacto no nosso trabalho. Da perspectiva da empresa, a percepção de que os empregados são o melhor activo e que o seu bem-estar é crucial para o sucesso colectivo é o ponto-chave.