Staples
Vodafone
LVMH
FNAC
Womens secret
Mercadona
Fleury
Fast Shop
Leroy Merlin
Cortefiel
SONAE
Hospital Pequeno Príncipe
Pandora
MSC
Dia
Springfield
Sheraton
Unilabs
Unidade Local de Saúde de Matosinhos
Notredame Intermédica
Pró-Saúde
Hospital de Santa Maria
Rede Ímpar
Unimed Fortaleza
Luz Saúde
Pulido Valente
Centro Hospitalar de São João
Hospital LeForte
Hospital Platô
AC Camargo
Garcia da Orta
Hospital 9 de Julho
A.R.S. Lisboa e Vale do Tejo
Sabará Hospital Infantil
Santa Casa de Misericórdia da Bahia
Hospital IGESP
Staples
Staples
Vodafone
Vodafone
Estapar
Estapar
LVMH
LVMH
Womens secret
Womens secret
Pandora
Pandora
Springfield
Springfield
Fast Shop
Fast Shop
Worten
Worten
WestSea
WestSea
Wells
Wells
Vitaminas
Vitaminas
Villa Termal das Caldas de Monchique
Villa Termal das Caldas de Monchique
Via Porto
Via Porto
Veolia
Veolia

Saúde mental dos colaboradores: uma prioridade das empresas?

Saúde mental dos colaboradores: uma prioridade das empresas?

Se há coisa que a pandemia acelerou mais do que mudou, foi o facto de as expectativas dos colaboradores estarem cada vez mais centradas na questão do bem-estar, sobretudo mental. Isto porque, dada a potencial falta de equilíbrio entre a vida pessoal e a vida profissional que a mudança repentina para home-office e mudanças na dinâmica do ambiente de trabalho por conta da COVID-19 e da necessidade de distanciamento social, os colaboradores poderão estar mais propensos a um esgotamento físico e mental, o chamado Burnout.

O que é “saúde mental”?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o termo está relacionado a um estado de bem-estar em que cada indivíduo percebe o seu próprio potencial, pode lidar com as tensões normais da vida, pode trabalhar produtiva e frutuosamente, e é capaz de dar uma contribuição à a sua comunidade.

A pandemia e o seu impacto na saúde mental

Um estudo do US Census Bureau em Dezembro do ano passado concluiu que mais de 42% das pessoas inquiridas relataram sintomas de ansiedade ou depressão em Dezembro, um aumento em relação aos 11% do ano anterior. Uma pesquisa da KFF Health Tracking de Julho de 2020 revelou que muitos adultos estão a relatar impactos negativos na sua saúde e bem-estar mental devido à preocupação e stress com o coronavírus, tais como dificuldade em dormir (36%) ou em comer (32%), aumento do consumo de álcool ou do consumo de substâncias (12%), e agravamento das condições crónicas (12%). O isolamento e a solidão são outras tendências agravadas.

Que fatores já afetavam a saúde mental antes do quadro atual?

Os benefícios relacionados com a saúde foram sempre importantes e não é de estranhar que a pandemia Covid-19 os tenha colocado na frente. No entanto, mesmo antes da pandemia já se falava dos fatores que afetavam a saúde mental dos colaboradores. A Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho, por exemplo, apontava o excesso de trabalho, exigências contraditórias, falta de clareza quanto ao papel/função do colaborador, comunicação deficiente e mudanças organizacionais mal geridas, como condições de trabalho que mais podiam afetar a saúde mental dos colaboradores. Já um estudo da Occupacional Safety and Health Association (OSHA) na Europa colocou a tónica na reorganização do trabalho ou a insegurança laboral, os extensos horários de trabalho ou o volume de trabalho excessivo; e a intimidação (bullying) ou o assédio no trabalho como principais causas de stress em ambiente laboral.

Como é que as empresas podem ajudar com a saúde mental dos colaboradores?

Apesar do crescimento exponencial, poucas são as empresas que de facto implementaram ou reforçaram um conjunto de soluções para responderem às necessidades dos colaboradores relacionadas com a sua saúde mental. A Netflix, o serviço de streaming de filmes e séries mais popular do mundo, dá a oportunidade aos seus colaboradores de decidir os seus próprios horários, dias de trabalho, período e tempo de férias. Tendo em consideração que do ponto de vista da empresa a saúde mental debilitada dos colaboradores impacta a produtividade, adotar cuidados que zelem pelas necessidades psicológicas dos trabalhadores é fundamental. Deixamos alguns exemplos:

  1. Extensão do seguro de saúde, passando a integrar a vertente da saúde mental;
  2. Consultas de psicologia/psicoterapia;
  3. Criação de programas de saúde e bem-estar, que podem incluir:
    1. Sessões de mindfulness;
    2. Workshops sobre gestão do stress, burnout, aprender a lidar com a ansiedade…;
    3. Oferta da subscrição de aulas de ioga, pilates, meditação…;
    4. Criação de sessões de “happy hours”, com atividades de teambuilding ou onde apenas é fomentada a conversa informal sobre temas triviais;
  1. Implementação de canais de Comunicação Interna, com foco na comunicação de apoio (artigos, e-books, infográficos e demais materiais com dicas, por exemplo…).
  2. Reforçar a importância do equilíbrio saudável entre a vida pessoal e profissional, o work-life balance.

Já falamos do work-life balance no nosso blog, mas voltamos a reforçar a sua importância neste âmbito, na medida em que a falta de qualidade de vida dos colaboradores e falta de equilíbrio entre as suas esferas pessoal e profissional podem trazer consigo uma série de consequências negativas, das quais destacamos o stress e o burnout, a ansiedade, dificuldades a dormir, deteriorar das relações familiares e sociais, podendo levar ao isolamento e solidão, e problemas físicos. Todos estamos sujeitos ao esgotamento físico e mental devido ao excesso de trabalho, no entanto isto pode ser evitado se as empresas entenderem que a saúde mental dos seus colaboradores é essencial não só para o seu próprio bem-estar, mas também para a produtividade das suas equipas.

Assim, é crucial que as empresas sejam capazes de manter um ambiente de trabalho seguro ao mesmo tempo que empoderam o colaborador, o reconhecem e zelam pelo seu bem-estar, fator chave para o sucesso organizacional.