SONAE
SONAE
Springfield
Springfield
Sheraton
Sheraton
Pandora
Pandora
Mercadona
Mercadona
MSC
MSC
Leroy Merlin
Leroy Merlin
FNAC
FNAC
Fast Shop
Fast Shop
Dia
Dia
Cortefiel
Cortefiel
Rede Ímpar
Rede Ímpar
Santa Casa de Misericórdia da Bahia
Santa Casa de Misericórdia da Bahia
Unidade Local de Saúde de Matosinhos
Unidade Local de Saúde de Matosinhos
Luz Saúde
Luz Saúde

Portal do colaborador vs e-mail, quem ganha?

Portal do colaborador vs e-mail, quem ganha?

É ousado dizer que tudo mudou em apenas alguns dias e que amanhã será provavelmente muito diferente do que escrevemos hoje, mas é a realidade. Temos dois axiomas claros dentro do mundo empresarial:

  1. A transformação digital e cultural dentro das empresas está a decorrer a um ritmo frenético;
  2. As produtividades precisam de ser bastante melhoradas para serem mais eficazes e eficientes e, portanto, competitivas no mercado (também gostaria de aglutinar estas linhas às administrações públicas, mas bem, a verdade é que soa impossível).

Neste post gostaria de falar sobre comunicação.

Os portais de colaboradores, até agora, têm sido um instrumento de comunicação unidirecional entre empresa e colaborador. Ou seja, era um espaço (geralmente pouco elaborado e sem design excessivo) onde recebem a folha de pagamentos, o calendário de trabalho e pouco mais. Geralmente, o colaborador tem uma palavra-passe dentro do website da empresa e acede a partir daí.

O atual quadro de pandemia marcou a necessidade de gerar novas formas de comunicação entre colaborador e empresa, sendo necessária a comunicação bidirecional. O colaborador já não recebe apenas os mesmos produtos, mas pode e deve interagir com a empresa para:

  • Propor alterações aos seus horários, trocando-os com os seus colegas;
  • Fazer upload de uma baixa por doença;
  • Fazer upload das suas despesas;
  • Gerar horários diários;
  • Falar de uma forma mais direta com gestores diretos que estão longe do seu dia a dia;
  • Receber formação online;
  • E muito mais…!

O teletrabalho veio para ficar e o desenvolvimento de dias de trabalho híbridos (parte da semana em casa e outra parte no escritório) já é uma realidade. Por conseguinte, os portais do colaborador tornaram-se o melhor instrumento de comunicação da empresa.

Falemos agora sobre o e-mail. Tenho a impressão de que se tornou ou está a tornar-se algo obsoleto. Tradicionalmente recebíamos todos os ficheiros por este meio, fazendo com que a nossa caixa de entrada esteja sempre cheia, tendo sérias complicações quando se trata de gerir o seu tráfego. O correio deixou de ser um elemento de comunicação global para passar a ser pouco mais do que a agenda do calendário das nossas reuniões. A minha declaração é um pouco contundente, eu sei, mas internamente e externamente cada vez mais se usam ferramentas como o Teams ou Google Meet, CRMs, ERPs de alto desempenho, Zoom, etc … que fazem forte concorrência ao email. É verdade que ainda usamos o e-mail quando queremos que a nossa comunicação seja mais oficial, quer seja um cliente interno ou externo, mas também é verdade que até mesmo uma mensagem via whatsapp tem a mesma validade que um e-mail. Isto leva-me a pensar que tenho a impressão de que o e-mail não está a atravessar o seu melhor momento.

No passado, costumávamos olhar para a nossa caixa de entrada preocupados se não tínhamos e-mails, podendo até pensar que o sistema estava em baixo. Atualmente, se não há x chats abertos no Teams, pensamos a mesma coisa.

Não há muitos anos, o portal do colaborador  era quase inexistente e agora está ao mesmo nível de um email. O portal do colaborador é um veículo para aumentar o bem-estar ou a qualidade de vida do colaborador em tempos de necessidade de produtividade e de filiação aos valores da empresa.

O e-mail tem muitos concorrentes em várias frentes que conseguiram ser mais ágeis, produtivos e que permitem facilitar a experiência do utilizador, tornando-a menos fria.

Em suma, o tempo voa, mesmo para o email.

Escrito por José Ramón Villaverde

José Ramon é um especialista em WFM e tem larga experiência em recursos humanos. Dada a sua paixão pela cultura, foi apresentador do programa de televisão ‘La nueva ruta del empleo. O seu maior passatempo é a escrita, sendo autor de 4 livros: 3 de ficção: ‘Otto, (Editorial Hades 2019)’, ‘El baile de las ortigas (Editorial Haces 2017)’ y ‘Deconstrucción de una lágrima (Editorial Hades 2014)’ e de não ficção, o livro ‘Películas, buenos consejos y cómo encontré trabajo.