SONAE
SONAE
Springfield
Springfield
Sheraton
Sheraton
Pandora
Pandora
Mercadona
Mercadona
MSC
MSC
Leroy Merlin
Leroy Merlin
FNAC
FNAC
Fast Shop
Fast Shop
Dia
Dia
Cortefiel
Cortefiel
Rede Ímpar
Rede Ímpar
Unilabs
Unilabs
Hospital 9 de Julho
Hospital 9 de Julho
Unimed Fortaleza
Unimed Fortaleza

Interoperabilidade no setor da saúde: como o WFM pode ajudar?

Interoperability in Healthcare

Interoperabilidade no setor da saúde: como o WFM pode ajudar?

A maioria dos departamentos de sistemas, tanto em organizações privadas quanto públicas, está no meio da busca pela interoperabilidade, especialmente no setor da saúde.

O setor está testemunhando uma mudança de paradigma impulsionada pela tecnologia. A interoperabilidade, a capacidade de diferentes sistemas e software de cuidados de saúde comunicarem e trocarem informações sem problemas, está na vanguarda dessa transformação. Mas como isso está mudando as coisas?

A interoperabilidade é um aspecto crucial quando se trata de simplificar a gestão das organizações, especialmente quando as informações coletadas podem variar.

Neste artigo, exploramos os detalhes da interoperabilidade no setor da saúde e examinamos como as soluções de gestão da força de trabalho podem ser um fator impulsionador para alcançá-la.

 

O que é Interoperabilidade no Setor da Saúde?

A interoperabilidade é um aspecto fundamental da saúde moderna. Ela é responsável pela padronização das nomenclaturas de acordo com as normas de saúde internacionais. Em outras palavras, permite que diferentes sistemas de informação e aplicativos de computador se comuniquem, troquem dados e usem as informações compartilhadas de forma eficiente.

Nesse sentido, desempenha um papel fundamental em facilitar a troca eficiente de dados entre vários sistemas e plataformas no setor da saúde.

O conceito se traduz em três tipos:

  • Interoperabilidade Funcional

Refere-se à simples troca de dados entre sistemas. É como se dois sistemas diferentes falassem a mesma “linguagem” técnica. Esse tipo de interoperabilidade garante que os dados possam ser compartilhados de forma eficaz, facilitando um fluxo de informações mais suave.

  • Interoperabilidade Semântica

Vai além da troca e garante que o significado dos dados seja compreendido de maneira consistente entre os sistemas. Concentra-se em garantir que a interpretação dos dados permaneça consistente em toda a linha, reduzindo o risco de falhas de comunicação ou erros.

  • Interoperabilidade Operacional

Relaciona-se com a coordenação e colaboração entre diferentes sistemas, garantindo que eles funcionem juntos de maneira harmoniosa no fluxo de trabalho dos cuidados de saúde. Quando os sistemas são interoperáveis ​​operacionalmente, isso leva a melhorias significativas na eficiência e na prestação de serviços.

 

Desafios da Interoperabilidade na Saúde

Do ponto de vista tecnológico, a troca e portabilidade de dados de saúde dos pacientes podem agora ser asseguradas. No entanto, é necessário superar desafios que muitas vezes parecem intransponíveis, exatamente devido aos tipos de interoperabilidade.

Nesse sentido, os principais desafios incluem:

  • Repositórios de Dados

Um dos principais desafios para alcançar a interoperabilidade é a existência de repositórios de dados. As organizações de saúde frequentemente utilizam software e sistemas diferentes que armazenam dados em repositórios isolados, tornando o acesso e o compartilhamento de informações difíceis.

  • Falta de Padronização

A falta de formatos de dados padronizados e protocolos de comunicação constitui um obstáculo significativo para a interoperabilidade. Diferentes estruturas de dados e sistemas de codificação podem levar a interpretações incorretas e erros quando os dados são trocados.

  • Preocupações com a Segurança

No setor de saúde, a segurança dos dados é fundamental. A interoperabilidade levanta preocupações sobre a privacidade e a segurança dos dados dos pacientes, uma vez que o compartilhamento de informações entre sistemas pode expor informações sensíveis a acessos não autorizados.

 

Como as Instituições se Adaptarão a Essa Nova Realidade?

Para ter um sistema de saúde eficiente, é crucial escolher fornecedores que priorizem a interoperabilidade na tecnologia que oferecem.

Nesse sentido, as instituições devem dar prioridade aos fornecedores que oferecem soluções interoperáveis. Isso significa selecionar sistemas e software que possam se comunicar efetivamente e usar a mesma linguagem que outras ferramentas usadas na organização.

Além disso, a colaboração é essencial no setor de saúde. As instituições devem colaborar ativamente com seus fornecedores na contínua troca de informações para aprimorar a tecnologia adotada.

No final das contas, o objetivo será sempre avaliar regularmente a eficiência e a eficácia dos sistemas interoperáveis.

 

Vantagens da Interoperabilidade como Aliada na Gestão da Força de Trabalho

  • Escalabilidade Eficiente

Com a intercomunicação dos sistemas de saúde, o WFM pode usar dados mais precisos. Essa precisão ajuda a prever de forma mais eficaz as necessidades de recursos humanos, resultando, em última análise, em uma melhor gestão da força de trabalho.

  • Melhoria na Experiência e Segurança dos Pacientes

Uma gestão integrada da força de trabalho com sistemas de atendimento ao paciente tem um impacto significativo no cuidado prestado aos pacientes. Pode reduzir os tempos de espera e garantir que o nível adequado de atendimento seja fornecido prontamente, melhorando a experiência e a segurança do paciente.

  • Tomada de Decisões em Tempo Real

Sistemas interoperáveis ​​fornecem dados em tempo real valiosos para a tomada de decisões rápidas e informadas. Por exemplo, ferramentas como o SISQUAL® Nursing Acuity podem se beneficiar muito desses dados em tempo real, permitindo que os provedores de saúde se adaptem rapidamente às necessidades em evolução dos pacientes.

  • Eficiência de Custos

Tanto sistemas interoperáveis ​​quanto o WFM podem levar a economias de custos. Eles ajudam a melhorar a distribuição de colaboradores, contribuindo, em última análise, para a eficiência dos custos nas organizações de saúde.

  • Escalabilidade

À medida que as instituições de saúde crescem, a necessidade de sistemas interoperáveis ​​e de um WFM eficaz se torna ainda mais crucial. Esse tipo de sistema ajuda as organizações a acompanharem as necessidades em evolução da saúde, garantindo que elas possam expandir suas operações de maneira ágil.

 

Como o SISQUAL® WFM se Adaptou a Essa Nova Realidade?

Nesse sentido, o SISQUAL® WFM, sendo uma referência no setor de saúde, compreende a importância da uniformidade de linguagem na indústria da saúde e está preparado para apoiar e fornecer soluções que buscam a interoperabilidade em sua organização.

Com sistemas de saúde interoperáveis, o WFM pode efetivamente planejar, agendar e gerenciar a força de trabalho com base em dados precisos e atualizados, maximizando a eficiência e melhorando a prestação de serviços.

Ter uma ferramenta de Gestão da Força de Trabalho interoperável preenche a lacuna entre sistemas de saúde diferentes, melhorando os níveis de serviço e, consequentemente, a segurança dos pacientes, a eficiência de custos e levando a decisões baseadas em dados.

Adotar a interoperabilidade com base no WFM não é apenas uma escolha; é uma necessidade no cenário atual da saúde.

Agende uma conversa conosco para aprimorar a gestão da sua força de trabalho.