Springfield
Springfield
SONAE
SONAE
Sheraton
Sheraton
Pandora
Pandora
Mercadona
Mercadona
MSC
MSC
Leroy Merlin
Leroy Merlin
FNAC
FNAC
Fast Shop
Fast Shop
Dia
Dia
Cortefiel
Cortefiel
Rede Ímpar
Rede Ímpar
Pró-Saúde
Pró-Saúde
Hospital IGESP
Hospital IGESP
Hospital LeForte
Hospital LeForte

Tendências de recursos humanos 2021 por José Ramón

Tendências de recursos humanos 2021 por José Ramón

Transformação digital e um epílogo de “Valores”

Uma das coisas que 2020 nos ensinou é que todas as previsões foram à vida após o aparecimento do Covid19. As coisas nunca serão as mesmas de antes e, portanto, estabelecer conjeturas é bastante complicado, mas há algumas sobre as quais podemos estar certos.

  • Qualquer tempo passado foi melhor. Historicamente, as grandes revoluções começaram sempre depois de drásticas convulsões. Este ano que começa, teremos de mudar muitos mecanismos e hábitos quer individuais, sociais, profissionais ou empresariais. A pandemia está a forçar-nos a mudar rapidamente. Por outras palavras, a palavra transformação digital já é uma realidade e qualquer pessoa que não a abrace ficará perdida. Se pensarmos que basta colocar um código QR na mesa de um restaurante e está tudo feito, estaremos a cometer um grande erro. Estamos a falar de uma revolução digital global que afeta o conjunto, não um sector económico, não um país, não a um tipo de sociedade, mas sim ao todo.
  • Campo dos sonhos. A transformação digital é agora uma realidade, não um sonho. Adotar uma mentalidade digital ou estar fora do mercado, esse é o novo paradigma. Isto não significa ter mais ou menos seguidores numa determinada rede social, mas conhecer, conhecer e utilizar ferramentas tecnológicas que sejam capazes de nos ajudar a melhorar a qualidade do nosso serviço, dos processos, da logística, dos recursos humanos e, portanto, que nos ajudem a crescer. Isto, juntamente com um trabalho de consultoria “artesanal” em que adaptamos o nosso produto à procura do mercado, será vital. Por outras palavras, a transformação digital, do meu ponto de vista, deve ser líquida ou a simbiose perfeita entre a nossa atitude ou impressão profissional e a solução tecnológica mais adaptada às necessidades do cliente.
  • Coisas da casa. Foi sempre pedido às empresas que fossem flexíveis, a fim de poderem combinar a vida pessoal e profissional. De repente, vemo-nos a trabalhar a partir de casa e isto terá muitas consequências, entre elas:
    • A empresa percebeu que se pode ser tão eficiente e eficaz em casa como no trabalho. É provável que quando tudo voltar ao normal, muitas empresas ofereçam aos seus empregados dias híbridos entre casa e escritório. Muitas empresas incluirão esta possibilidade nas suas ofertas de emprego para tornar as suas procuras de recursos humanos mais viáveis.
    • Acordos laborais, objetivos, paridade, comunicação empresarial terão de tirar partido deste novo ambiente, oferecendo novos modelos de trabalho.
    • As políticas de compensação serão adaptadas de acordo com objetivos, incentivos ou benefícios sociais, tais como ter um cartão de saúde, assistência familiar ou outros que promovam a conciliação ou sustentabilidade.
  1. Up in the air. Se há uma coisa que a pandemia está a tornar clara, é que um bom planeamento dos recursos humanos é vital. As equipas já estão a ser ajustadas tanto quanto possível de acordo com as suas tarefas e competências. O desenvolvimento de equipas multidisciplinares que trabalham interconectadas em vários centros de produção ou no próprio domicílio é vital. Por conseguinte, a eficácia e eficiência no dimensionamento das nossas equipas é fundamental. A pessoa certa, no momento certo com as competências necessárias, significa uma redução de custos para a empresa e uma melhoria na qualidade de vida do empregado. Tudo isto, obviamente, resultará numa melhoria na qualidade do serviço ao nosso cliente final. Os instrumentos e soluções de gestão da força de trabalho já devem ser integrados em qualquer processo de transformação digital, seja qual for o tipo de empresa.
  2. Diamantes para a eternidade. Fala-se imenso da promoção da cultura empresarial como uma forma de atrair talento e de o reter. Um empregado feliz é o melhor embaixador da marca. A cultura empresarial deve ser líquida, ou seja, devemos agora concentrar-nos na sustentabilidade, conciliação, flexibilidade e noutras vantagens que tornam cada recurso único num ambiente privilegiado.
  3. Match Point. A impossibilidade de eventos ou reuniões abrandou o chamado “networking“, pelo que as competências terão de ser melhoradas para se encontrarem novas oportunidades. Oferecer ao mercado a nossa capacidade de atrcção através de canais intrusivos como a omnicanalidade, por exemplo, pode ser um bom estímulo para o crescimento e, portanto, gerar visibilidade positiva.
  4. A selva de vidro. Se antes os acordos de parceria eram ocasionais, agora são necessários porque quatro olhos veem mais do que dois. Um trabalhador independente que tenha contactos pode ser o melhor fornecedor para uma grande empresa ou vice-versa, a empresa pode apoiar tecnologicamente o empresário e dar-lhe cobertura para os serviços prestados. Por outras palavras, qualquer tipo de sinergia é possível.
  5. Vendo conselhos que para mim não tenho. Existe um mínimo vital atual:
    • Compreender ou ser capaz de se expressar em línguas, sobretudo inglês.
    • Ter conhecimentos médios/altos de ferramentas informáticas.
    • Saber tomar riscos para tomar decisões, liderar projetos ou simplesmente tentar caminhar em conjunto com cada profissional.
  6. O mundo nunca é suficiente. Temos de estar conscientes de que podemos ter uma oportunidade em qualquer parte do mundo. Visibilidade, resposta a uma pergunta, exposição do produto, negociação, acompanhamento, logística de entrega e integração são elementos vitais para o crescimento das nossas empresas. A palavra global já está implícita no ADN, tanto do indivíduo como da empresa. Devemos estar preparados para viajar em qualquer oportunidade.

Epílogo

Há algo claro, palavras como confiança, boas práticas e profissionalismo servidos com uma dose de humildade, mas não sem prestígio, capazes de levar os sucessos a crescer. Em tempos em que a perda de valores é notória pela sua ausência, o trabalho com empresas humanistas, onde os valores são pedras fundamentais, será o melhor terreno para uma transformação digital perfeita e, claro, o melhor remédio para as nossas empresas crescerem fortes e sobreviverem após a catástrofe.

Escrito por José Ramón Villaverde

José Ramon é um especialista em WFM e tem larga experiência em recursos humanos. Dada a sua paixão pela cultura, foi apresentador do programa de televisão ‘La nueva ruta del empleo. O seu maior passatempo é a escrita, sendo autor de 4 livros: 3 de ficção: ‘Otto, (Editorial Hades 2019)’, ‘El baile de las ortigas (Editorial Haces 2017)’ y ‘Deconstrucción de una lágrima (Editorial Hades 2014)’ e de não ficção, o livro ‘Películas, buenos consejos y cómo encontré trabajo.